Perguntas?

Técnica, vendas, faturas:
Pergunte aos nossos especialistas.

Diretamente para o interlocutor certo

Números de serviço:

Comércio: +49 2452 962 400
Indústria: +49 2452 962 777
Consumidor final: +49 2452 962 450
Segunda - Quinta: 8:00 - 17:30 horas
Sexta-feira: 8:00 - 17:00 horas

Tem dúvidas?

Estamos à sua disposição para qualquer pergunta ou esclarecimento.

Comércio: +49 2452 962 400
Indústria: +49 2452 962 777
Consumidor final: +49 2452 962 450
E-Mail: info@trotec.com

Avaliação exata da qualidade do ar interior

O BQ16 regista as concentrações de formaldeído e de COV

Uns dos grupos de materiais mais comuns e perigosos em relação à exposição de espaços interiores são certamente o formaldeído (HCHO) e os compostos orgânicos voláteis (COV).

Quer seja na sua própria cas, no escritório, no local de trabalho ou em edifícios públicos, escolas e jardins de infância: Não é possível cheirar ou degostar a contaminação do ar ambiente com estas partículas – mas pode medi-las de forma fiável. Com o novo aparelho de medição HCHO-TVOC BQ16 da Trotec.

A utilização do BQ16 é assim muito simples: Depois de ser ligado, o aparelho de medição regista automaticamente em tempo real as concentrações de HCHO e COV presentes. O BQ16 regista então mesmo as concentrações mais pequenas a partir de 0,01 ppm ou 0,01 mg/m³. Já que o legislador define normalmente valores limite em mg/m³ ou ppm (parts per Million), o BQ16 foi desenvolvido de forma a que possa ver todos os valores medidos com um só pressionar de botão também diretamente em mg/m³ ou em ppm.

Ambos os valores medidos são apresentados simultaneamente no display do BQ16 de fácil leitura e com retroiluminação. Através das funções de MÍN, MÁX e HOLD integradas poderá, durante a medição, ver a qualquer momento o valor mínimo e máximo medido e, caso necessário, memorizar o valor medido atual. Este prático aparelho de medição está também equipado com uma função de desligamento automático de forma a poupar a bateria.

Vantagens para a prática:

  • Desenvolvimento, design, fabricação: 100% Trotec
  • Registo dos valores de medição em ppm ou mg/m³
  • Indicação dual dos valores reais para HCHO e TVOC
  • Função MÍN / MÁX e de HOLD (retenção)
  • Display retroiluminado
  • Desligamento automático
  • Design industrial alemão otimizado para o processo – modelo industrial registado

Porque é que o formaldeído e os compostos orgânicos são tão perigosos

Desde a nova casa e até ao novo mobiliário ou automóvel, as coisas novas não devem nunca causar doenças. Mas também em muitos materiais modernos escondem-se o perigoso formaldeído e muitas combinações orgânicas voláteis. O BQ16 é uma ajuda na avaliação fiável de perigos nos seus próprios espaços interiores ou no local de trabalho, no automóvel ou diretamente no espaço comercial, ao, por exemplo, comprar móveis ou materiais de construção.

Edifícios públicos, escolas e jardins de infância
Carro novo
Materiais de construção
Local de trabalho
  • Metanal – coloquialmente chamado de formaldeído – é uma matéria-prima química para muitos produtos industriais de tintas e revestimentos, em colas, aglutinantes e atém em conservantes. Muitos materiais que contêm formaldeído, tais como produtos de madeira, pisos ou têxteis podem causar, ainda por longo tempo, uma contaminação do ar que respiramos, devido à liberação de gases em recintos fechados. Formaldeído foi, devido à sua toxicidade especial, e de acordo com o regulamento europeu de químicos (CLP) classificado na classe de risco 1B como provavelmente carcinogénico em seres humanos.

    De acordo com os valores de referência da Agência Alemã do Meio Ambiente, uma concentração de 0,1 mg formaldeído por cada metro cúbico de ar do espaço interior não deve ser excedida – nem mesmo por pouco tempo!

  • Compostos orgânicos (COV/TCOV) são substâncias que se evaporam facilmente, mesmo em baixas temperaturas – que, portanto, no estado gasoso "se volatilizam" – e poluem o ar. É por isso que elas são chamadas de compostos orgânicos voláteis (volatile organic compounds) e medidas como valor total TVOC (total volatile organic compounds). Em interiores, há diversas fontes de COVs, por exemplo, pavimentos e revestimentos de pisos, tintas e vernizes, impermeabilizações e adesivos, móveis e tapetes. Ar ambiente em interiores poluído por COVs, as pessoas podem sofrer de forma permanente. Fala-se, neste contexto, também da "Sick-Building-Syndrom" (síndrome do edifício doente).

    De acordo com a Agência Federal do Meio Ambiente não deve, em espaços interiores destinados a uma presença mais prolongada, ser excedido continuamente o valor de COVT na área de 1 até 3 mg/m³.

O grupo de empresas  |  Feiras  |  Empregos  |  Contacto  |  Ficha técnica  |  Sitemap
Social